Make your own free website on Tripod.com
Cogumelo do sol (agaricus blazei murril)

Reino:

Fungi

Divisão:

Basidiomycota

Sub-divisão:

Homobasidiomycetidade

Ordem:

Agaricales

Família:

Agaricaceae

Gênero:

Agaricus

Espécie:

Agaricus blazei Murril

Nome popular

Cogumelo do Sol

Histórico

Em 1965, um imigrante japonês chamado T. Furumoto,  trabalhando em seu sítio na pequena cidade de Piedade, interior do Estado de são Paulo, descobriu uma nova linhagem de cogumelo comestível que possuía um aroma muito semelhante a um cogumelo já conhecido no Japão, chamado “matsutake”, também comestível. Em homenagem à cidade onde foi descoberto, foi batizado de Piedade. A partir de então, esse cogumelo viajou o mundo. Em 1972, com o sucesso no cultivo desse cogumelo, o Sr. Furumoto enviou uma amostra ao Japão para ser analisada pelo Dr. Iwade. Em seguida, o Dr. Iwade mandou essa mesma amostra para um especialista em taxonomia de cogumelos na Bélgica chamado Dr. Heinemann, que classificou o fungo como Agaricus blazei. Ao mesmo tempo que mandava a amostra para o Japão, o Sr. Furumoto enviou uma amostra para o Instituto Botânico de São Paulo que, imediatamente, enviou-a para o Instituto Real de Botânica, na Inglaterra, aos cuidados do Dr. Pegler que classificou a linhagem como Agaricus sylvaticus. Desse modo, as espécies são distintas, mas o gênero a que pertencem –Agaricus-  é o mesmo. Essa diferença é comum quando se estuda taxonomia, pois varia de acordo com a interpretação de cada pesquisador. O champignon também faz parte do mesmo gênero (Agaricus bisporus), porém só cresce em baixas temperaturas. Já o Agaricus blazei prefere temperaturas mais altas para se desenvolver.

Após a definição da identidade deste novo cogumelo, o instituto do Dr. Iwade, em conjunto com a Faculdade de Medicina da Universidadede Mie e a Universidade de Shizuoka, pesquisaram e descobriram que um polissacarídeo (principalmente β-glucan) atuava como substância anti-tumoral. Quando esse resultado foi divulgado, houve um “boom” no consume desse cogumelo, principalmente no Japão. Seus efeitos farmacêuticos estão sendo reconhecidos gradativamente também em outros países como o Brasil. As pesquisas dos cientistas japoneses revelaram que o polissacarídeo β glucano atua no organismo humano aumentando as funções imunológicas, acarretando o aumento de macrófagos, “Natural Killer Cells” (NKC), células T, células B e células complementares, evitando a regeneração e a metástase do câncer.

Alguns pesquisadores nos Estados Unidos têm obtido resultados satisfatórios com esse cogumelos no Instituto de Otorrinolaringologia de Universidade da Califórnia (UCLA), observaram que o polissacarídeo presente no cogumelo aumentava a quantidade de células imunológicas Na Universidade da Carolina do Norte, pesquisadores afirmaram que os extratos obtidos a partir do cogumelo apresentaram alta toxicidade sobre as células cancerosas e também sobre o HIV.

Hoje, este cogumelo tem sido bastante empregado na dieta,principalmente em pratos japoneses, chineses e mesmo ocidentais devido à sua forte fragrância doce e fresca, carne adocicada e excelente textura. Recentemente, tem atraído atenção como material para desenvolvimento de novos fármacos

De um modo em geral, o Brasil foi o primeiro país a cultivar, pois é espécie nativa.Devido às condições climáticas favoráveis para o cultivo deste cogumelo, matrizes reproduzidas no Japão foram enviadas de volta ao Brasil e, desde então, várias técnicas de produção têm sido adaptadas.Hoje é cultivado principalmente nos estados de São Paulo, Paraná e Minas Gerais.Outros países produtores são China, Japão e Coréia.